quarta-feira, novembro 30, 2005

FEROMONA * LISBOA BAR * 25 de Novembro 2005
Fotos tiradas e gentilmente cedidas por Z.
Aqui há uma crítica ao concerto.

Diego

André

Bernardo

André

Diego

Bernardo

segunda-feira, novembro 28, 2005

Foi aqui e foi bom:

Lisboa Bar

Obrigado ao Tomás pelo pano, ao Vasco + Joana + Zé + David Jacinto pelas filmagens e câmaras, ao David Santos pelo som e ajuda geral, ao Celso e Sílvia pelo controle, ao Carlos do Lisboa (porra, ganda maluco..), ao Diogo + Saldanha + Miguel pela ajuda com o PA que foi gentilmente emprestado pelo Lugar Comum. E aos amigos que apareceram em peso.

QUEM TIVER FOTOS DO CONCERTO ENVIE PARA feromona@iol.pt. (é que por mais que tente não me consigo tirar fotos enquanto toco. Uma maçada...)

sexta-feira, novembro 25, 2005

Meus caros,

Sonho muito, estou em muitos lugares ao mesmo tempo, impressiona-me portanto que a nossa pátria esteja embutida de factos que brainwashão o comum dos comuns. Aprecio a genuinidade de intenção e a faculdade de verdadeirismo. Vamos lá pôr um assunto em voga: Quem melhor que um poeta para representar o lirismo tuga? Portugal é lírico, sonhador e madrugador. E alegre, embora as notícias não o façam transparecer. Votemos alegria.

Eternamente lírico e vosso,

P.S. A revolução cubana começou com um poeta, porque não a nossa também?

Cada geração tem o direito de mudar poucas coisas quando passa pela vida, usemo-lo.

Será bom para todos os que falam português.

Alegre é Alegria
Cavaco é Sovaco


quarta-feira, novembro 23, 2005

Amigo que trabalha.

O amigo que trabalha na 6ªfeira à noite tem a obrigação de dizer que está mal disposto, com náuseas, etc para se pôr a andar antes das 11 da noite.
Meter-se-á no seu carro e conduzirá até perto do largo do Carmo onde estacionará no primeiro lugar que encontrar.
Depois, precavendo-se, separará a pequena quantia de 2€ do orçamento para jolas para garantir a entrada no concerto de feromona. Aí juntamente com outros amigos e banda irá festejar o facto de estar vivo.

segunda-feira, novembro 21, 2005

Cinco coisas que o caubói John Wayne gosta de saber:

1.Gosta que as pessoas se zanguem com ele na estação de correios dos Restauradores apenas porque ele passa algum tempo a enviar uma encomenda registada para si próprio.

2. Gosta que no acto de enviar essa carta seja ele a lembrar a senhora funcionaria que ainda não pagou o envelope A4 no qual envia o manuscrito.

3. E gosta de saber o seguinte em conversa com a senhora funcionária dos correios:
J. W:Como é que vocês controlam estas coisas?
F. C: Não controlamos.
J.W.:Então é tudo uma questão de fé?
F.C.:Sim, pode dizer que sim.
J.W.:Acho bem.Do mal, o menos.


4. Gosta ainda mais de não poder levantar o manuscrito que enviou a si próprio porque perdeu o bilhete de identidade.
(Esta vale por duas.)

saudações.

quarta-feira, novembro 16, 2005

feromona em concerto

Desta sexta-feira a oito dias vamos tocar no Lisboa Bar mesmo ali entre o Carmo e a Trindade.

Rócaneroul garantido com entrada a 2 euros e fiquem sabendo que a imperial custa eur'e meio.
Ás onze em ponto.

feromona ao vivo no lisboa bar


Além deste temos mais uns para Dezembro e Janeiro por Lisboa, Mafra e Almada. Quando estiverem confirmados enfio aqui com as datas.

terça-feira, novembro 15, 2005

PRESIDENCIAIS

Depois de pensar no assunto durante uns bons 2 minutos e 7 segundos, escolhi o candidato que vou apoiar nas próximas eleições presidenciais.
Como ele precisa de assinaturas para se poder candidatar, quem tiver chegado à mesma conclusão que eu fachavor ir
aqui e tratar da burocracia.
Portugal agradece.

segunda-feira, novembro 14, 2005

VIVA O LOU BARLOW!

O concerto da ZDB na última sexta-feira foi memorável.
Obrigado Lou.

sábado, novembro 12, 2005

"UM AMIGO

Num daqueles dias de outono, em que nos queima a vermelha labareda das folhas, um amigo pedia que lhe contasse uma história. "Salva-me a vida, conta-me uma história." E eu recordei aquela mulher das Mil e Uma Noites, que encadeava, com doçura e desespero, uma história na outra, pois só a história infinita nos permite escapar à maldição da morte.
Um amigo é uma história que nos salva."

Mário Rui de Oliveira
O Vento da Noite

quarta-feira, novembro 09, 2005

Lou Barlow

Esta sexta-feira toca na ZDB o senhor Lou Barlow, singer/songwriter talvez mais conhecido pelos "seus" Sebadoh e Folk Implosion ou como baixista de Dinossaur Jr.
Já por cá passou com estes últimos no sudoeste deste ano e agora vem sózinho cantar "Emoh" delicioso disco a solo. Aconselho a quem gosta de boas canções. Para quem não conheça, ele anda pelo indie-pop com cheiros de alt-country aqui e ali.

23h, entrada 7,5€.

links:
zdb
loobiecore.com

terça-feira, novembro 08, 2005

PARA CANTAR A TRÊS VOZES, dedicado a Cindy Pinar.

I wish I had a shotgun
To kill that bitch
I’m sure that I would feel so much better now

I wish I had a girlfriend
She’d kill that bitch
And make it all just go away.


(Orlando, Fl - Junho 1998)

segunda-feira, novembro 07, 2005

LONDRES, Primavera 2001

Easythrills and a shitload of laughing pills
Fantastic nine-to-five makes you, know how it feels.

Caramel sundaes all the way to the top,
Greasy fingers full of boybands the world knows are a flop.
And hipocrites in a hurdle grab taxis like bums in ragged waistcoats,

who know they will laugh last.

Bangladesh!
Lithuania!
and Jamaica!

Bare with me the sound of sirens
Bare with me the sound of silence

Naked girls or half naked little girls or barenaked old women,
that complain about the shitty cocaine and yellow jugs of white and red,
Round fat faces with mouths wide open and Rn'B beats,
delivered at your door free of charge "how many sir?"
I am pleased to use your services.
So come again some other time cause now I'm on strike,
Playing video games till dawn on foreign dope
And riding a bike, I got down the road.

amigo do Lat. amicu
s. m., o que quer bem;
(retirado deste dicionário online )

É fodido quando nos apercebemos que não podemos contar com alguém que julgamos ser nosso amigo. Pelo menos a mim custa-me muito.
E depois há as facadas nas costas. O amigo não nos quer bem.

sexta-feira, novembro 04, 2005

Quando saía do comboio
Ouvi alguem dizer
Que quem sabe sabe
E quem não sabe aprende

E ao mesmo tempo pensava que tu
Não vais aprender nunca
Ninguem dá por nada
A mim já não me surpreendes.

Arrasto-me por aquí há tempo demais
Eu não quero morrer
O desafio já é só um engano
Agora vou à minha vida.

Não te perdôo.
Não te perdôo.
Não te perdôo.

A surpresa já passou
A decepção ainda vai longe.
Estou gasto, velho e triste.

quinta-feira, novembro 03, 2005

Não é só o tempo que anda cinzento.